Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

A pesca do salmão no Iémen (2011)

Vou tomar a liberdade de aconselhar a todas as leitoras do blog e às minhas companheiras de luta, um filme lindíssimo que vi ontem e pelo qual fiquei fascinada. O tema (como podem ver pelo título do filme) nada tem de especial e, à primeira vista, pode parecer um filme parado e desinteressante. Mas não é! É muito interessante e eu aconselho vivamente. O que tem a ver com Jane Austen? Quase nada, à excepção talvez que se passa em terras de Sua Majestade (e Iémen obviamente), com alguns dos seus súbditos mais talentosos na actuação e ainda porque se trata, no fundo, duma comédia romântica, bem à maneira da nossa querida Jane. Ah! E temos Tom Mison que interpreta Mr Bingley (O&P) na série de 2006, Lost in Austen.

A história gira em torno de uma mulher que vai ajudar um Sheik a construir um viveiro de salmão inglês no Iémen com a ajuda de um cientista bastante introvertido do Departamento de Agricultura e Pescas. O objectivo do Sheik passa por trazer a cultura do salmão ao seu país natal e proporcionar aos seus habitantes a prática do desporto a que ele se dedica na sua propriedade na Escócia: a pesca do salmão, além de estimular uma das únicas atividades em que todos, independentemente da classe social, poderiam participar de igual para igual, lado a lado à beira do rio.

Todo esse facto é aproveitado pelo governo inglês, desesperado por ter boas notícias daquela região, ao mesmo tempo que as relações amorosas dos envolvidos vão sendo postas em causa. O filme conta com os atores Ewan McGregor, Emily Blunt, Kristin Scott-Thomas e Amr Waked nos principais papeis (magnifícos). Tem ainda Tom Mison (Mr Bingley em Lost in Jane Austen, como já mencionei, e que visto pelo ângulo certo é um homem interessantíssimo, se é que posso dizê-lo aqui) e Rachel Sterling. Esta última interpretou (e muito bem!)a namorada de Hugh Grant em Love Actually mas aqui vêmo-la muito diferente. Quanto a Ewan McGregor, continuo sempre à espera que ele comece a cantar 'Come What may' do filme Moulin Rouge...

Felizmente, este filme foi baseado num livro. Coisas boas destas normalmente são baseadas em livros! Escrito pelo inglês Paul Torday e publicado em 2008, o livro lembra, em muitos aspectos, os romances epistolares, pois é feito de cartas, e-mails, páginas de diário, relatórios da Câmara dos Deputados na Inglaterra (House of Commons), programas de entrevistas e até emails relacionados com a Al Qaeda fazem parte dessa “pilha” de documentação que conta a história. 

É um livro construído como uma sátira aos governos,  a toda a burocracia governamental inglesa, mas que com pequenos ajustes é universalmente insana. O projecto de se fazer a pesca do salmão – um peixe de água doce muito fria–  no Iémen, um país no deserto, é considerado desde o primeiro capítulo como uma loucura, um projecto sem viabilidade.  Mas, por razões diversas e principalmente para favorecer o primeiro-ministro, este projecto começa a crescer e toma vida própria.  Não só cresce como se torna um projecto imprescindível para o governo inglês.  E ganha mais combustível ainda quando Alfred Jones, o herói da história e um cientista do Departamento de Pesca do governo, que é contra o projecto, se vê frente a frente e seduzido pela filosofia do sheik em questão.

 

O resultado é imprevisível, acreditem. No filme, a Kristin Scott-Thomas é hilariante. Aquela cena em que ela, ao passar por homens, na Escócia, vestidos de saia, se parabeniza a si mesma pela visão é de morrer a rir. E então quando troca mensagens num programa semelhante ao msn com o Primeiro-Ministro...

 

(Imagens retiradas do site da Imbd).

1 comentário

Comentar post