Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

A Hartfield Portuguesa

E se Jane Austen tivesse sido portuguesa? E se a ação do romance “Ema” se tivesse passado numa das muitas vilas ou aldeias portuguesas?

Pois bem, se Jane tivesse sido Joana, Hartifield uma mansão em Portugal e algum realizador desejasse adaptar “Ema” para o ecrã, o local ideal para servir de cenário para a residência de Ema e Henrique, o pai, seria, em meu entender, o Palácio de Estoi, hoje recuperado enquanto Pousada de Portugal.

 

A escolha não foi aleatória, foi até bastante saudosista. Um irmão meu morou nesta aldeia algarvia chamada Estoi… não me perguntem ao certo como se lê… há quem lhe chame “Estói” e há quem lhe chame “Estôi” - passei lá o Verão de 2005 inteirinho e nunca cheguei a conclusão nenhuma!

 

Nesse verão que lá passei o então Palácio de Estoi estava vetado ao abandono (vejam a imagem da página seguinte). Passei lá algumas tardes a “invadir” propriedade alheia, é um facto, e a trazer limões de um limoeiro que não me pertencia, mas nunca ninguém se importou, nem ninguém se parecia importar com a beleza daquele edifício repleto de ervas e trepadeiras por tudo quanto era sítio.

Na altura ainda não era fã de Jane Austen e nunca me passou pela cabeça que pudesse um dia associar Estoi a Emma Woodhouse, mas hoje, nada me parece mais certo! E é com extrema facilidade que coloco Emma neste cenário.

 

Não consegui encontrar nenhuma referência, mas tenho ideia que a recuperação do Palácio começou a ser feita um ano ou dois depois de eu lá ter passado as minhas Vérias Grandes e ficou concluída em 2008.

 

Atualmente, o Palácio de Estoi é um hotel de luxo que integra as Pousadas de Portugal.

 

O Palácio de Estoi, localizado a cerca de 10km de Faro, data do séc. XIX e é um exemplar do estilo rococó em Portugal. Também conhecido como Palácio do Carvalhal. O Palácio foi mandado construir por Fernando Carvalhal de Vasconcelos, um fidalgo da Corte em 1840, “altura em que já existiam neste local os jardins e uma pequena residência, conjunto que pertencia ao bispo de Faro”, todavia, não concluiu a obra em virtude da sua morte. O Palácio foi depois vendido a José Francisco da Silva, farmacêutico de profissão, que concluiu as obras, ficando o Palácio totalmente pronto em 1909 - pelos esforços demonstrados na recuperação do Palácio, José Francisco da Silva foi intitulado Visconde de Estoi pelo Rei D. Carlos I. O trabalho foi dirigido pelo arquiteto Domingos da Silva Meira. Em 1987 o Palácio foi comprado pela Câmara Municipal de Faro e em 1977 tinha sido classificado como Imóvel de interesse público.

 

“O interior do palácio é extremamente detalhado e está elaborado àbase de estuque e pastel. No jardim é possível ver as palmeiras e as laranjeiras, que se enquadram perfeitamente com o ambiente rococó do palácio.

No terraço inferior é possível ver um pavilhão com azulejos azuis e brancos, denominado a Casa da Cascata, e no seu interior está uma cópia das Três Graças, de Canova” (historiadeportugal.info).

 

“O corpo do seu principal salão é avançado em relação ao resto do edifício e apresenta decoração inspirada no estilo Luís XV.

O palácio compreende vinte e três salas e cinco anexos: torre sineira, torre de acesso às coberturas, depósito de água e duas casas de fresco.

O palácio é antecedido por três patamares ou socalcos ajardinados, preenchidos com diversos alojamentos: dois Pavilhões de Chá (com frescos no tecto), a Casa do Presépio e a Casa da Cascata. Esta axialidade é acentuada pelo arruamento principal, o qual se desenvolve a partir de uma portada monumental.

 

As divisões interiores do palácio apresentam formas quadradas e rectangulares, estando interligadas por corredores estreitos e compridos, embora a maior parte dos aposentos comuniquem entre si. As salas são decoradas ao estilo Luís XV, Renascença e Barroco, salientando-se a ornamentação interior das seguintes salas de aparato: Capela, Salão Nobre, Sala de Visitas, Sala de Jantar, Saleta, Vestíbulo ou entrada pelo Jardim do Carrascal, dois Pavilhões de Chá, Casa do Presépio e Casa da Cascata. Parte do mobiliário e algumas pinturas de cavalete ou murais são italianos. (e-cultura.sapo.pt)

 

Aos obras de recuperação concluídas em 200 foram da responsabilidade do Arquitecto Gonçalo Byrne. Em 2009, o Palácio de Estoi - Pousada de Portugal abriu as portas ao público. 

 

Digam lá se Emma Woodhouse não encaixava neste Palácio que nem uma luva!

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.