Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

Vamos Editar os Clássicos - A importância das traduções

Com a excepção de José de Alencar todos os autores sugeridos para a votação são de origem anglo-saxónica. E todos os livros que sugerimos podem ser adquiridos a custo zero na internet, já são livros sem direitos de autor e por isso mesmo estão em bases de dados como o Gutemberg Project. à distância de um click podemos ter e consequentemente ler estes livros. Para aqueles que já têm um Kindle ou semelhante podem usá-lo para ler.

Tudo isto seria perfeito se não fossem por dois motivos, o primeiro é que nem todos dominam o inglês para lerem, há quem entenda muito bem e há quem se desenrasque caso necessário. Para aqueles que dominam e querem ler podem fazê-lo, mas o inglês e todas as línguas do mundo, atrevo-me a dizer, não são estáticas e vão mudando. O inglês que Dickens e Gaskell falavam será certamente diferente daquele que falou a Lucy Maud Montegomery que era canadiana.

 

Já li North and South de Elizabeth Gaskell e não foi exactamente fácil, porque embora domine o idioma em questão, não vivi no seculo XIX e não vivi em Manchester. Há todo um vocabulário da zona e próprio das classes sociais operárias que me escapa. Li um livro que tinha um glossário, mas é chato estar sempre a consultá-lo e ver que afinal hoo significa o tão usado She???

O tradutor deve ter das profissões mais ingratas do mundo, por um lado, o seu nome quase nunca é destacado e por outro vê muitas vezes o seu trabalho discutido e atacado. Mas são a estes homens e mulheres que devemos a leitura de livros que não dominamos o idioma. Uma forma de honrá-los é ler a versão da nossa própria língua. Eu até hoje só li em inglês os livros que não tinham tradução e todos os que estão a votos, com excepção de North and South, ainda não li pelos motivos que aponto, não há tradução e o inglês falado faz-me pensar duas vezes. Fico-me pelas adaptações onde sempre se fala every day english ( inglês de todos os dias) como diria o Gilbert Blythe numa das adaptações da Ana dos Cabelos Ruivos.

 

 

3 comentários

Comentar post