Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

Shortstory 2 Parte 19

 

 

Assim que wenthworth tomou a decisão de confrontar a amada para uma resposta definitiva que tão ansiosamente ousava esperar positiva, todo o peso de uma tonelada lhe saiu dos ombros.

Nesse ímpeto de felicidade decidiu comunicar a sua decisão a ao seu bom amigo Coronel Brandon. Apesar da marcada diferença de idades desde o conhecimento os dois homens encetaram uma relação amistosa que em breve se tornou em fortes laços de amizade. Muitos aspetos de temperamento e escolhas na vida os uniam, ambos seguiram carreiras militares e circulavam em meios semelhantes, e ambos tinham o seu coração devotado ao amor duma mulher pela qual não tinham medo de lutar nem a certeza suprema da correspondência desse amor.

Na conversa entre os dois homens Brandon apoiou o amigo assegurando-lhe que qualquer luta vale a pena para se estar perto de quem se ama. A convicção das suas palavras não o traiu, ainda que internamente tivesse as suas próprias dúvidas quanto ao amor de Marianne por si ,e à constância dos sentimentos da jovem esposa.

Tal como o Coronel Brandon, também Mr. Knightley amaldiçoava a distância de idades que o separava do objecto da sua afeição - Emma. Knightley era um homem apaixonado cujo amor por uma bela mulher havia despontado apanhando-o desprevenido. O extenso contacto de ambos desde a mais tenra infância de Emma nunca lhe havia deixado imaginar que algum dia fosse nutrir por tal criança mimada e viva um sentimento que não o de irmão mais velho. Sentimento esse que se alterou por completo.

Mr Knightley um verdadeiro gentleman, sentia-se agora um adolescente apaixonado, inconsequente e febril fruto do amor violento que sentia. Tudo nele o impelia a proteger a Emma, mesmo dos desejos desta que a pudessem afastar de si. Habituado a ser um homem prático e sensato dava consigo em deambulações e comportamentos infantis, de luta pela posse de algo que não sabia ser seu. Achava que lhe devia estar destinado, e essa convicção afastava a certeza de que realmente assim fosse. Tinha-se habituado desde cedo a trabalhar muito e a viver para os negócios, sem que grandes ímpetos o tivessem afastado do seu propósito, dava-se agora conta que algo faltava na sua vida, queria uma família e sobretudo uma família com aquela a quem amava mais que todas as outras que haviam existido na sua vida. Não se pode mesmo dizer que apesar da idade já avançada tivesse algum dia sentido o amor até agora. Sentimentos de pânico assolavam-no, não se sentia merecedor de tal beleza, juventude, inteligência e espírito. Pela Primeira vez sentia-se fraco face à concorrência, a batalha não estava perdida, oxalá Emma o amasse também! O dia do baile chegou!

Com efeito Emma era uma mulher vistosa na qual todos os olhos masculinos se fixavam. Ou assim via Mr Knightley...

1 comentário

Comentar post