Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

Carta de Mr. Collins ao Sr. Bennet por ocasião de sua visita à família Bennet (Capítulo XIII, de “Orgulho e Preconceito”)

A carta de Mr. Collins para Mr. Bennet é muito bem escrita e revela características de sua personalidade que não passam despercebidas, principalmente, aos olhos do próprio Mr. Bennet e de Elizabeth. A carta é lida pelo Mr. Bennet para toda a sua família, de manhã, durante a primeira refeição do dia. Ele solicita a Mrs. Bennet que repare um belo jantar, pois terão convidados. Ela se anima toda, acreditando se tratar de Mr. Bingley. Porém, logo Mr. Bennet a corrigi e com seu peculiar toque de ironia comunica a família a vinda deste primo, que será o herdeiro da única propriedade da família quando ele não mais existir. Mrs. Bennet demonstra indignação com a possibilidade de receber em sua casa o homem que pode deixá-las na miséria. Mr. Bennet destaca a tentativa do primo em se aproximar da família  e pede a atenção de todas para a leitura da carta.

 

A carta é cheia de pompa e cuidados, apresenta argumentos bem pensados que tem a finalidade de sensibilizar o receptor da mensagem. Mr. Collins justifica sua demora em procurar a família, esclarecendo que após a morte do pai preferiu manter distância para preservar  a memória deste e respeitar suas vontades. Mas, ele repensa o comportamento de seu pai em não se relacionar bem com Mr. Bennet  e decide procurá-los a fim de  preencher tal abismo. Afinal, ele foi nomeado pela Baronesa Lady Catherine de Bourgh  como reitor da paróquia, cuja propriedade é desta ilustre senhora. Esta informação é escrita em meio a vários adjetivos e promessas de ser um clérigo impecável para esta bondosa senhora. Além disso, Mr. Collins ressalta que como clérigo ele deve zelar pela paz de todas as famílias e por estas razões quer se aproximar de Mr. Bennet e sua família. Mr. Collins tenta persuadir Mr. Bennet em lhe receber, argumentando que não pode deixar de sentir certo pesar por, involuntariamente, vir a prejudicar suas primas, pede desculpas por tal inconveniência e garante compensá-las na medida do possível. Em seguida, se convida para ficar como hospede da família por uma semana.

 

Após o término da carta, todos se expressam e relatam a impressão que tiveram do tal primo. Neste momento, Jane Austen apresenta aos leitores um  panorama de como cada um entende esta carta e as possíveis repercussões da visita de Mr. Collins a família Bennet. É interessante acompanhar o raciocínio de cada membro da família e conhecer um pouco mais da personalidade de cada um.  Mr. Bennet acerta em cheio e nos apresenta, antecipadamente, como é este personagem tão engraçado, ele declara: “A sua carta denuncia um misto de subserviência e auto-importância, que promete muito”. E como a promessa é cumprida com maestria por Jane Austen  ao nos brindar com Mr. Collins, um sujeito presunçoso, exímio galanteador e “puxa-saco”, impertinente, convencido e muito, muito engraçado!

 

Esta carta dá início a uma série de acontecimentos importantes para a história de “Orgulho e Preconceito”, tal como a vergonha que Lizzy sente de sua família no baile na casa de Mr. Bingley, a recusa de Lizzy em se casar com Mr. Collins, o casamento deste com Charlotte Lucas e assim por diante.

 

É muito interessante se aperceber  de como uma carta revela muito da personalidade de seu escritor. Neste caso, pode-se considerar que esta carta foi usada por Jane Austen como um aperitivo do que seria a personalidade tão peculiar e comum na época de Mr. Collins.  

1 comentário

Comentar post