Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

Mulher Prendada - Qualidades e Talentos para o Casamento

"Oh! certainly," cried his faithful assistant, "no one can be really esteemed accomplished who does not greatly surpass what is usually met with. A woman must have a thorough knowledge of music, singing, drawing, dancing, and the modern languages, to deserve the word; and besides all this, she must possess a certain something in her air and manner of walking, the tone of her voice, her address and expressions, or the word will be but half-deserved."

 

"All this she must possess," added Darcy, "and to all this she must yet add something more substantial, in the improvement of her mind by extensive reading."

 

Pride And Prejudice

 

 

Com certeza que eu não precisaria de colocar que este pequeno excerto pertence a Orgulho e Preconceito, a cena é bastante conhecida e uma das mais memoráveis da obra de Jane Austen. Numa análise detalhada vejo várias coisas: Miss Bingley tentando desesperadamente agradar ao Mr. Darcy elogiando a sua irmã e tentando como sempre diminuir Elizabeth e claro Bingley levanta a questão: as mulheres são todas muito prendadas e não se fala de nenhuma sem que se fale antes dos seus predicados.

Penso que Jane ao criar esta cena viu nela uma forma de atirar lenha para a fogueira, seriam as mulheres tão prendadas como davam a entender? Ou muitas vezes eram exagerados os seus feitos, apenas para conseguir um casamento vantajoso? E afinal porque se falavam tanto das prendas femininas?

Durante séculos a mulher viveu confinada à sua casa e a ela cabia geri-la, esse ensinamento passava de mãe para filha, não consegui encontrar nada sobre o assunto, portanto isto tem por base algumas coisas que já vi em documentários, filmes e livros. As meninas desde tenra idade aprendiam a ler e a escrever, mas também aprendiam a tocar piano, a coser, bordar, desenhar. Tocar piano tinha a sua utilidade já que mais tarde, em adultas elas iriam em reuniões tocar e ser admiradas, mas qual a utilidade do desenho? E seria este um talento que se podia mesmo ensinar? A julgar por aquilo que vemos em filme sim, mas possivelmente nem todas seriam bem sucedidas nessa área, daí a observação do Bingley ser pertinente: They all paint tables, cover screens, and net purses. I scarcely know anyone who cannot do all this, and I am sure I never heard a young lady spoken of for the first time, without being informed that she was very accomplished.

 

Com determinada idade, as meninas iam para colégios internos e de lá voltavam com todas as prendas que lhe permitiriam ser apresentadas como uma esposa desejável.

Foi assim durante séculos e muitas coisas que se aprendiam na escola no tempo de Jane Austen, hoje já não se ensinam, como por exemplo tocar piano, costurar ou bordar. Actualmente muitas mulheres afirmam mesmo que nem sequer sabem cozinhar. No tempo das nossa avós isso seria impensável. Tal como as cartas de que falamos o mês passado caíram em desuso também aprender prendas parece ter caído. Naturalmente o universo feminino mudou e hoje a mulher passa grande parte do tempo fora de casa a trabalhar, já não precisa de se entreter com bordados ou costuras. Contudo, não é incomum ainda encontrarmos mulheres, muitas vezes jovens que fazem malha ou bordado. Há uma grande dose de criatividade e prazer associada a este tipo de trabalhos, além disso sabe bem usar algo que fomos nós que fizemos. Eu que faço bijuteria para vender também faço coisas para mim. E confesso que ultimamente tenho pensado em aprender costura, malha... e nem é porque os tempos vão dificeis e sai mais barato fazer, mas porque que é uma actividade criativa.

Por isso atrevo-me a dizer que talvez as mulheres do antigamente ao aprenderem a ser aprendadas estavam também a usar a sua criatividade e assim podiam fugir para ali sempre que as coisas se tornassem mais complicadas.

2 comentários

Comentar post