Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

A Carta Reveladora: Orgulho e Preconceito

 

 

 

Na História de Orgulho e Preconceito, encontramos um herói e heroína que inicialmente se detestam.

 

Bem, talvez não se detestem, eles no íntimo amam-se, mas ainda não o sabem! Pelo menos não, da parte de Lizzy…

 

Logo após uma convivência prolongada dos protagonistas em Rosings, Mr. Darcy propõem Lizzy em casamento, proposta esta feita e  recusada de forma muito mais rude do que seria de esperar num acontecimento desta índole. Logo após este acontecimento, sem dúvida um clímax na nossa história, Lizzy fica muito confusa, até este momento ela não sabia do amor de Darcy, e este na justificação das acções das quais foi acusado, aquando da recusa, compõe uma carta justificativa, que entrega a Lizzy.

Toda história se desenrola a partir desta carta, em que se entende que Mr. Darcy é no fundo um homem afectuoso, em vez de alguém afectado, é também pela leitura repetida da mesma, que todo o ódio no coração de Lizzy em relação a Mr. Darcy se transforma num amor profundo. Ainda que para o leitor seja mais óbvio o amor de Darcy do que é para Lizzy,  o verdadeiro carácter de Darcy começa aqui a ser revelado.

Lizzy acha o comportamento de Darcy estranho em inúmeras circunstância, a sua simpatiza ocasional, mais manifestadas nos tempos que precedem a proposta, estranha em algumas ocasiões, mas atribui sempre este facto a uma volatilidade que o feitio de Darcy na realidade não tem.

Só após este momento crucial, é que através da informação contida na carta se tem conhecimento que que Mr. Wickham (o preferido da nossa heroína) não é mais do que alguém com a “aparência de bondade”, um “caça fortunas” que a iludiu ou foi iludido pela sua aparência, tendo tentado já seduzir e raptar a irmã de darcy como forma de se elevar socialmente.

 

Esta carta, é uma carta honesta, na qual o protagonista se dá a conhecer. As partes boas e más! Este aproveita a ocasião para confessar o seu “Crime”, ao ter ajudado a separar Jane do seu fiel amigo Mr. Bingley, explicando que mesmo este foi guiado pela ilusão que Jane não estava verdadeiramente apaixonada e com o propósito de ajudar o amigo.

Mr. Darcy escreve com o ituito de responder às acusações da nossa protagonista e uma carta que ele próprio acha ter sido guiada pelo rancor, torna-se no alicerce do amor de Lizzy.

 

 Só através desta carta se começa a levantar o véu sobre o verdadeiro Mr. Darcy.

 

 

 

3 comentários

Comentar post