Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jane Austen Portugal

O Blogue de Portugal dedicado à Escritora

Quem Tem Medo de Mr. John Knightley?

 

"Mr. John Knightley era um homem alto, de maneiras corteses e de grande inteligência; eminente na sua profissão, possuía um carácter respeitável e era dedicado ao lar; mas os seus modos reservados impediam que se tornasse geralmente agradável e, além disso, era muitas vezes sujeito a acessos de mau humor. Não tinha má índole, nem as suas impertinências eram tão frequentes que justificassem tal suposição; mas não podia gabar-se de que o temperamento fosse a sua grande perfeição. (...) Ele possuía toda a clareza e vivacidade de espírito que faltavam a Isabella, e, por isso, dava-se, por vezes, o caso de ele tomar atitudes mais ásperas. Não gozava de grandes simpatias junto da linda cunhada. Ela não lhe perdoava a mínima falta. (...) Mas os modos de J. Knightley eram apenas os de um irmão e amigo tranquilamente amável, sem louvores nem cegueiras; mas mesmo que se verificasse qualquer grau de lisonja pessoal, era muito difícil que esse facto a tornasse desatenta a uma falta que ele muitas vezes praticava e que, a seus olhos, se afigurava a mais grave de todas - a falta de paciência para com o seu pai. (...) As peculiaridades e as inquietações de Mr. Woodhouse provocavam nele, por vezes, censuras irónicas ou comentários mordazes, igualmente lamentáveis."

 

 

Tomei a liberdade de me servir de um título de um filme "Who's Afraid of Virginia Woolf", adaptando-o ao nosso John Knightley precisamente por ele ter um carácter muitíssimo peculiar...

 

John Knightley é daquelas personalidades que se gosta ou se odeia, é de extremos. Eu pertenço ao grupo que fica fascinado com tais caracteres. Se o tamanho da minha admiração pelo irmão me leva a colocá-lo como o meu herói austeniano preferido, confesso-vos que John Knightley virá logo de seguida porque do irmão só difere em (falta) de sensibilidade. A sua maneira de ser "terra-a-terra", a sua crítica, a sua honestidade e a sua dedicação atraem-me profundamente.

 

 

Outra das características que muito aprecio nestes irmãos é a sua cumplicidade, os poucos trechos da obra em que estes dois comunicam um com um outro são deliciosos e mostram a "fraternidade" no seu lado mais adorável. É curioso também o acrescento da série de 2009 onde colocam os Knightleys a atirar bolas de neve uns aos outros recordando os tempos de infância onde, na altura, as Woodhouse também entravam na brincadeira: uma cena muito simples, mas cheia de intensidade.

 

- Olá George! Como passaste?

 

- Como estás, John?

 

As saudações sucederam-se no verdadeiro tom inglês, isto é, escondendo, sob uma fleuma que mais parecia indiferença, o real afecto que levaria qualquer deles, se necessário fosse, a fazer tudo em prol do outro.

 


 

John Knightley é o filho mais novo, logo, sem direitos em termos de herança e por isso, naquele tempo, obrigado a investir numa profissão - John Knightley é advogado, e dos bons, por sinal. A profissão dele parece preenchê-lo bastante, é o seu principal ganha pão, e com cinco filhos não é de admirar que se dedique tanto a "fazer pela vida", e esta é outras das características que influenciam a minha opinião favorável sobre ele. John Knightley não recebe tudo de bandeja, embora oriundo de uma grande e abastada família, é obrigado a "meter mãos na massa" e a lutar pela sua independência.

 

Em determinados aspectos, lembra-me muito Thomas Palmer de Sensibilidade e Bom Senso, embora (em comparação) John me parece bem mais afável e sociável que o nosso "carrancudo" Mr. Palmer. Que vos parece? Pelo menos em relação ao humor negro e abuso de sarcasmo, os dois estão no mesmo plano.

 

 

Alguma certa impaciência e intolerância que ele demonstra para com Mr. Woodhouse tendem a levar-nos a desgostar do seu personagem, no entanto, convenhamos... por muito que Mr. Woodhouse nos enterneça, nem todos os caracteres têm níveis de paciência que possam suportar tanto medo irracional pela doença. Neste ponto, coloco-me do lado de John Knightley. Como vêem, lido bem com os "defeitos" de John Knightley.

 

Não deixa de ser curioso que seja ele quem alerta Emma para as atenções desmesuradas de Mr. Elton e a avisa para deixar de ser tão aberta junto do pároco ou ele pensará que ela lhe está a "abrir as portas". John Knightley lida com Emma sem lhe prestar as atenções e maneirismos a que está habituada, ele é um amigo desinteressado, livre da cegueira da pequena sociedade de Highbury que idolatra as suas famílias mais importantes.

 

 

 

E acrescento, para finalizar que, todos aqueles que acusam John Knightley de ser pouco sociável, são obrigados a ter em conta o diálogo atencioso que ele tem com Miss Fairfax e que nos obrigam a rever alguns preconceitos criados sobre a sua personagem. E além disso, tem uma tal dedicação à família que limpam qualquer falta. É certo que perante a passividade da mulher necessita, como Jane diz, de ser mais áspero nalgumas atitudes... mas alguém tem de educar e estabelecer regras às crianças, Mrs. John Knightley parece ser daquelas mães que deixa as crianças fazer tudo (não pondo em risco a saúde, claro) porque acha que assim os filhos são mais felizes. Entenda-se por isso o papel que John tem de assumir.

 

É um personagem que admiro bastante, não é tão perfeito quanto Mr. Knightley, mas talvez por isso seja mais real e se aproxime mais das pessoas com que lidamos todos os dias e se é certo que ser detentor de um certo mau-humor não lhe é muito favorável, os comentários assertivos e mordazes trazem-lhe uma certa mais-valia que abate um pouco essa maneira de ser.

 


1 comentário

Comentar post